Supersônico Overture está chegando ?

3

Um novo avião supersônico “acessível” deve decolar no final deste ano, depois de garantir milhões de dólares em financiamento.

O avião comercial, apelidado de Overture, acabará transportando dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo em Mach 2,2, o que equivale a 2.335 km/h, disseram seus desenvolvedores da Boom Supersonic.

Espera-se que um protótipo em escala real do avião seja lançado no final deste ano, depois que a empresa anunciou que conseguiu um financiamento adicional de US $ 140 milhões, e com a expectativas de vôos com passageiros para iniciar na década de 2020, ou seja daqui a pouco tempo.

Futuros clientes já incluem a Virgin Group e a Japan Airlines, que já encomendaram 30 aviões Overture entre eles, disse o porta voz da Boom Supersonic.

Blake Scholl, fundador e CEO da Boom Supersonic, afirmou: “Na Boom, nossa visão é remover as barreiras do planeta. Hoje, o tempo e o custo das viagens de longa distância nos impedem de nos conectar com pessoas e lugares distantes”.

“As tarifas serão semelhantes às da classe executiva de hoje, ampliando os horizontes para dezenas de milhões de viajantes. Por fim, nossa meta é tornar o voo de alta velocidade acessível a todos. “Este novo financiamento nos permite avançar no trabalho da Overture, o primeiro avião supersônico economicamente viável do mundo”.

Alguns dos detalhes do novo supersônico e como estão os ensaios de tunel de vento na Boom

Além de ser acessível, a empresa disse que o Overture também será o jato supersônico mais ecologicamente correto já feito, com uma liga de carbono semelhante à algumas aeronaves atuais.

Andy Karsner, sócio-gerente da Emerson Collective e líder da Elemental, afiliada de energia e meio ambiente da empresa, afirmou: “Nosso interesse na Boom é impulsionado por sua visão para possibilitar maior conexão humana e uma experiência natural e cultural mais empática através do design ecológico e consciente”.

“A Boom tem a liderança, os valores e o potencial para acelerar muitos avanços como compostos de carbono leve e combustíveis mais verdes, promovendo desta forma a redução dos impactos climáticos da aviação. Estamos entusiasmados em fazer parceria com uma empresa comprometida em revolucionar as viagens com mais responsabilidade ambiental”.

A Boom está atualmente construindo o XB-1, um protótipo tripulado em escala do avião Mach-2.2, que deve voar ainda neste ano. Para acomodar a montagem do XB-1 e o desenvolvimento da Overture, a Boom se mudou recentemente para uma instalação de última geração no estado do Colorado.

Na prática a Boom Supersonic, está construindo o que chama de “a primeira aeronave supersônica economicamente viável do mundo”. O supersônico Overture terá capacidade para 55 passageiros e tem uma aparência semelhante ao Concorde do lado de fora, com um nariz fino e formato de asa delta e a Boom espera que o protótipo valide seus conceitos para aerodinâmica eficiente, materiais compostos avançados e sistema de propulsão mais eficaz.

Segundo CEO Blake Scholl, um voo de Nova York para Londres levaria cerca de 3 horas e 15 minutos, enquanto um de Sydney para Los Angeles demoraria 6 horas e 45 minutos.

Uma das principais e grandes inovações que a Boom espera demonstrar é atingir uma alta velocidade sem injetar combustível adicional no tubo do jato após a turbina, um processo conhecido como pós-combustão. O Concorde, por exemplo, usava pós-combustão durante a decolagem e na aceleração.

Apesar de grande aporte de dinheiro não está claro quanto precisará ser investido para que o Overture possa ser usado comercialmente, já que os custos de desenvolvimento do Concorde por exemplo giraram em torno de US$ 7 bilhões. A própria Boeing e a Airbus, por outro lado, gastam de US$ 2,5 bilhões a US$ 6 bilhões para colocar alguns dos seus  jatos comerciais no mercado.
Enquanto alguns analistas permanecem céticos sobre o modelo econômico de uma aeronave supersônica hoje, o fundador está empenhado em “tornar os voos de alta velocidade acessíveis a todos”. Segundo ele, os avanços tecnológicos permitirão que o Overture seja silencioso nas decolagem e pousos, incorporando combustíveis mais limpos.

Aeronaves que voam mais rápido que a velocidade do som, foram desenvolvidas pela primeira vez em meados do século XX. Mas os regulamentos e os desafios técnicos impediram a inovação e a expansão do conceito, disse a Boom Technology, em sua sede em Denver. A empresa de aviação afirmara no entanto que pretende mudar isso desenvolvendo um jato de passageiros moderno e supersônico que viajará a Mach 2.2(2.335 km / h). O Concorde, um jato de passageiros supersônico aposentado, voou a velocidades de até 2.180 km/h.

O tempo será o testemunho dessas novas realizações e 2019/2020 serão a prova deste inovador projeto…

Links relacionados:


Instituto Principia, ponto de encontro internacional…

4

O número 145 da rua Pamplona, no bairro paulistano da Bela Vista, a 500 metros da avenida Paulista, deverá voltar a abrigar pesquisas na área de física nos próximos meses.

Nesse endereço, onde funcionou em um casarão histórico entre 1952 e 2009 o Instituto de Física Teórica (IFT), atualmente uma unidade da Universidade Estadual Paulista (Unesp), um novo centro de produção e difusão de conhecimento científico está previsto para ser inaugurado em 2019: o Instituto Principia.

Inspirado no Instituto Isaac Newton para Ciências Matemáticas, cuja sede se situa dentro do campus da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, o Principia terá três áreas centrais de atuação: a promoção de pesquisa colaborativa entre físicos do Brasil e do exterior, a divulgação de ciência para o público leigo e um trabalho de mentoria com alunos da rede pública do ensino médio em que for identificada forte aptidão para seguir a carreira de cientista nas áreas de física e matemática.

O nome do novo instituto é uma referência ao famoso livro de Newton (1643-1727) denominado Princípios matemáticos da filosofia natural, ou simplesmente Principia em latim. “Nossa ideia não é competir com as universidades por fundos públicos para a pesquisa nem ser uma agência de fomento”, explica a física Renata Zukanovich Funchal, diretora científica do Instituto Principia e professora do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (IFUSP). “Queremos ser um centro autossuficiente e captar dinheiro privado para nossas atividades.” A mantenedora do Principia é a Fundação Instituto de Física Teórica, entidade de direito privado sem fins lucrativos que criou o IFT em 1951.

A fundação foi responsável pela gestão do IFT até 1987, quando a Unesp assumiu o instituto. Mesmo depois de ter sido encampado pela universidade, o IFT funcionou na Bela Vista até 2009, quando foi transferido para um prédio no bairro da Barra Funda.

 

Um projeto por vez

Com a saída do IFT de sua sede, a fundação vendeu o terreno de 6.500 m2 onde se situa o casarão para uma incorporadora imobiliária em um arranjo que possibilitou a gestação e a montagem do Principia. O negócio rendeu à fundação a propriedade de novos imóveis que foram edificados pela construtora no endereço da Pamplona: um pequeno prédio de 1.300 m2 que será usado para abrigar cerca de 25 pesquisadores, um teatro-planetário de 140 lugares, chamado Domo Digital, e quase cinco dos 20 andares de uma torre comercial de escritórios. Atualmente, 94% dos escritórios pertencentes à fundação, que totalizam pouco mais de 4 mil m2, estão alugados.

Reformado, o antigo casarão também permaneceu com a fundação. Seu térreo virou um café-restaurante, alugado e administrado por terceiros, e a parte superior abriga um espaço a ser usado pela escola de jovens talentos do Principia. “O aluguel dos escritórios e do restaurante nos rende cerca de R$ 3,6 milhões por ano”, afirma Gerson Francisco, diretor-presidente da fundação. “Nosso compromisso é arcar com os custos fixos do Principia.”

O centro de pesquisas está quase pronto. Falta instalar o piso e mobiliá-lo. O teatro que abriga o planetário ainda precisa de cerca de R$ 2 milhões para ser terminado, mas já pode ser usado para palestras e eventos menores. “Queremos vender os naming rights do Domo Digital para uma empresa e buscar apoio no setor privado”, diz Renato Vicente, professor do Instituto de Matemática da USP e vice-presidente do conselho curador do Principia.

O Domo Digital ainda precisa de um investimento de R$ 2 milhões para ser concluído (Léo Ramos Chaves)

O primeiro evento no teatro ocorreu no mês passado. O físico Francis Halzen, da Universidade de Wisconsin-Madison, dos Estados Unidos, falou sobre as pesquisas e descobertas feitas no Observatório de Neutrinos IceCube, construído próximo ao polo Sul, na Antártida. Em julho passado, o experimento, do qual Halzen é o cientista-chefe, identificou a primeira fonte documentada de neutrinos e de raios cósmicos de alta energia, as partículas mais potentes do Universo.

O físico do IceCube é o primeiro nome a fazer parte do comitê de especialistas do exterior encarregado de selecionar os projetos científicos que serão apoiados pelo Principia. O grupo de pesquisadores internacionais terá entre cinco e sete membros e receberá para análise final as melhores propostas pré-escolhidas pelo comitê científico do instituto, formado por cientistas das três universidades estaduais de São Paulo.

O Principia não terá um corpo permanente de pesquisadores. Seu prédio dedicado à ciência será ocupado temporariamente por equipes de físicos do Brasil e do exterior que deverão passar uma temporada de três a seis meses trabalhando conjuntamente em torno de alguma questão científica importante. “Queremos que o instituto funcione como um hub internacional de pesquisadores, que ficarão algum tempo aqui debruçados sobre um tema fundamental da física e produzirão trabalhos científicos conjuntos”, comenta Renata. “Vamos abrigar em nossa estrutura apenas um projeto por vez.” Não há uma data marcada para que o centro de pesquisas receba sua primeira leva de pesquisadores-visitantes, mas a meta é que isso ocorra agora em 2019.

O Instituto foi criado em 2017 para ser um influente centro de produção e difusão do conhecimento científico e de conexão da ciência com a sociedade. Ele possui três frentes de atividades: um Centro Internacional de Pesquisa, uma Escola de Talentos e um Domo Digital, estrutura imersiva 360º que pode funcionar como um Planetário. A infraestrutura completa abrangerá várias atividades e abre suas portas para a geração de conhecimento como pesquisa científica, formação e desenvolvimento de jovens, difusão do conhecimento, consultoria,entretenimento.

Como um Centro de Pesquisa, tem a pretensão de uma visão de ser um influente centro internacional para o desenvolvimento e divulgação do conhecimento científico, que é incentivar a realização de programas na fronteira do conhecimento. É o interlocutor entre a comunidade científica, a iniciativa privada e a imprensa, criando uma comunicação de qualidade com o grande público.

​Programas científicos de 4 a 6 meses de duração; temas vinculados a Física Teórica e suas aplicações em todas as áreas de conhecimento; 20 a 25 pesquisadores trabalhando simultaneamente em cada programa, além de Workshops, eventos, aulas e seminários.

E tem também o “Grupo Física e Negócios”, serviço que promove a interação e empresas com objetivo de discutir e solucionar problemas do mundo real utilizando a física e suas aplicações. Serão eventos planejados com assessoria e intermediação do Instituto Principia.

O Instituto Principia se posiciona então como uma grande iniciativa para prover ciência, conhecimento e formação de talentos com lastro de grandes universidades e de parcerias privadas. A comunidade científica agradece !

 

Bibliografia/Fontes/Links relacionados:



Go to Top